Desenvolvimento de questionários – Palestra com a PhD Mariel A. Marlow (Universidade da Califórnia)

No dia 26 de abril de 2014, o Polo EAD de Nova Friburgo recebeu a visita de uma pesquisadora americana.

A PhD Mariel A. Marlow, da Universidade da Califórnia, ministrou a palestra Desenvolvimento de questionários: Por que os detalhes podem ser mais importantes do que pensamos?

Em bom português, Mariel explicou aos mais de 70 presentes a metodologia que considera mais adequada tanto para a elaboração de questionários, quanto para sua aplicação em pesquisas com diferentes públicos. Para a pesquisadora, um questionário deve ter boa confiabilidade e validade e isso se consegue com:

– a elaboração de boas questões: os enunciados devem ser de fácil entendimento. Para isso, deve-se evitar a utilização de termos técnicos, assim como a ambiguidade ou o acúmulo de perguntas em um mesmo enunciado.

– a seleção do público correto (e do entrevistador correto para cada público): selecionar o público correto é fundamental para que suas informações sejam realistas (confiabilidade). Já a seleção do entrevistador também precisa ser cuidadosa, pois o mesmo pode influenciar as respostas dos entrevistados. A palestrante deu o exemplo de um entrevistador atraente que, dentre outras perguntas, questiona a idade de mulheres em um determinado ambiente. Se ele não se preocupar em conferir as identidades das mesmas, elas podem mentir sobre sua idade e isso gerará resultados falsos. Além disso, é essencial que os entrevistadores sejam treinados, para que a abordagem ocorra da melhor maneira possível (sem também influenciar nas respostas).

– a abordagem de aplicação dos questionários: os enunciados das questões e a abordagem dos entrevistadores devem ser simples, amigáveis, objetivas e evitar respostas automáticas. Por exemplo, deve-se evitar listar as opções de resposta na horizontal ([ ] sim [ ] não [ ] talvez), pois isso pode confundir o entrevistado. Deve-se evitar também dispor perguntas que se presume que terão respostas iguais em sequência, pois isso pode viciar o entrevistado a dar a mesma resposta a todas, sem se preocupar com a veracidade dos dados.

– o fornecimento de uma categoria de não-resposta: isso evita que o entrevistado seja obrigado a dar uma resposta que não sabe ou não quer. Por exemplo, as opções de resposta para o enunciado “Você concorda com determinada afirmativa?” devem ser “sim”, “não” e “não sei/não quero responder”.

– uma análise calma e sistemática dos dados: criar um espaço para observações nos próprios questionários e usar esquemas de codificação para as respostas contribuem para uma melhor análise dos dados e, logo, para sua confiabilidade e validade.

Após a palestra, o público pôde fazer perguntas e comentários.

A palestra teve cerca de uma hora de duração e teve um público bem diversificado: estudantes e tutores de todos os cursos do Polo e até alunos de outras instituições estiveram presentes.

20140426_11092820140426_110645IMG-20140426-WA0000  IMG-20140426-WA0008IMG-20140426-WA0010  IMG-20140426-WA0013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s