Jornada Acadêmica, para além dos 200 anos!

Publicado em 02/04/2018 por polofriburgo

Nos dias 07 e 14 de abril das 08h00min ás 16h30min, o Polo CEDERJ em Nova Friburgo, estará realizando a jornada acadêmica, com o objetivo de homenagear os 200 anos da cidade de Nova Friburgo. O evento será aberto á toda comunidade, a programação está recheada de atividades como palestras, mesa de debates e pré-lançamento do livro: “Teia Serrana 2”. Venha participar! Sua presença será fundamental. Quem quiser obter os certificados de participação do evento ou expor algum banner deve fazer a inscrição no site eventoscederjnf.wixsite.com/pa200. O local de realização do evento será no CIEP 124 Licínio Teixeira – Rua José Pires Barroso, s/n (via expressa) – Olaria – Nova Friburgo – RJ.

29345794_858355411011248_42728518_n
Jornada Acadêmica

1° dia do evento “Para além dos 200 anos”

Publicado em 10/04/2018 por polofriburgo

No último sábado, dia 07 de abril de 2018, ocorreu no Polo CEDERJ de Nova Friburgo, o primeiro dia da Jornada Acadêmica.

30441112_866267196886736_8631652910721138688_n
30441214_866267570220032_1900228462442971136_n
30441263_866268760219913_9177866265648168960_n
30442736_866269510219838_632795403078598656_n

Ás 8 horas houve a mesa de abertura com os representantes de algumas instituições de ensino friburguenses, dentre eles o Prof. Bernardo Peralva, do IPRJ (Instituto Politécnico da Universidade do Estado do Rio de Janeiro); a historiadora Maria Ana Quaglino, da Fundação D. João VI; Marcelo Verly, da Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação; Vinícius Pascoal, da UFF (Universidade Federal Fluminense), o ex Aluno do CEDERJ que ganhou em primeiro lugar o prêmio Schell de educação científica de 2017, Edevaldo Silva, e a diretora do Polo CEDERJ, Profa Rosali Zavoli, como mediadora do debate, cujo tema era: “Pesquisa, educação e História em Nova Friburgo”.

30571268_866269450219844_8839781433837879296_n

Figura 2 : Mesa da abertura, com os representantes das instituições de ensino: Prof. Bernardo Peralva, do IPRJ (Instituto Politécnico da Universidade do Estado do Rio de Janeiro); a historiadora Maria Ana Quaglino, da Fundação D. João VI; Marcelo Verly, da Secretaria Municipal de Ciência, Tcnologia e Inovação; Vinícius Pascoal, da UFF (Universidade Federal Fluminense), o ex Aluno do CEDERJ Edevaldo Silva, e a diretora do Polo CEDERJ, Profa Rosali Zavoli.

A partir das 10 horas da manhã, teve início a mesa redonda “Pensando a intervenção militar sob a perspectiva de território e segurança pública”. O professor Artur Faustino falou acerca da definição de território sob o ponto de vista da Geografia, trazendo abordagens sobre dominação e apropriação. A professora Érika G. Ferreira relatou a pesquisa que realizou com os agentes de segurança pública do município de Nova Friburgo e expôs dados sobre a criminalização na região. O antropólogo Marcos Veríssimo contou um pouco sobre a sua pesquisa nas bocas de fumo da Metrópole do Rio de Janeiro, pontuando questões de segurança pública e tráfico de drogas. Após a fala de cada um dos convidados, houve abertura para perguntas e todo o debate foi enriquecedor.

30442770_866269793553143_8719092642366881792_n

Figura 3: Registro da mesa redonda ““Pensando a intervenção militar sob a perspectiva de território e segurança pública”. Com a participação dos convidados: Prof Artur Faustino, Profa Érika G. Ferreira, antropólogo Marcos Veríssimo e Prof Gabriel Frazão como mediador.

No período de 11h30min da manha ás 13 horas houve a exposição dos Banners:

  • “Memórias de vidas no campo: A Revolução Verde e as transformações nas “Artes de fazer e conviver” dos trabalhadores de bairros rurais da Serra Fluminense (Nova Friburgo e Sumidouro) (1950-2000).”
  • “Ciência e cultura também são feitas a distância: a experiência de um projeto de extensão.”
  • “O centro de memória, pesquisa e documentação de Cantagalo e a preservação e divulgação das fontes manuscritas do Vale do Paraíba Fluminense.”
  • “O Blog do Polo EAD de Nova Friburgo/RJ: um relato de experiência.”
  • “Tabela periódica interativa: Uma nova maneira de aprender/ensinar Ciências”
  • “Ciência em Jogo.”
  • “Contos Mitológicos no ensino da Astronomia: trabalhando com recursos lúdicos no ensino médio.”
  • “A utilização de experimentos no ensino de Ciências: despertando o interesse pela química.”
  • “Mapeando os cursos de licenciatura semipresenciais da UERJ e suas redes.”
  • “A descoberta do corpo humano: experienciais no contexto do PIBID.”
  • “Produção, circulação e consumo da moda em Nova Friburgo (1920 – 1951).” 
30516313_866268070219982_8868244538590756864_n
30582196_866267243553398_6586323925985132544_n
30581731_866267543553368_4118144291287597056_n
30530852_866267323553390_8129760706301001728_n
30530878_866268010219988_4009625478628376576_n
30572126_866267116886744_8060802399318573056_n
30443021_866268333553289_6731325127159447552_n
30443206_866267550220034_3090676290315878400_n
30530712_866267296886726_2641785451207196672_n
30441486_866267930219996_4101679401014394880_n
30442989_866267173553405_9047629736108359680_n

Após a exposição dos banners houve a terceira mesa discutindo as questões de trabalho em Nova Friburgo. O professor Rodrigo Martins Marreto discutiu sobre a escravidão no município de Nova Friburgo durante o período colonial no século XIX. Ele desmitificou as abordagens do município ter sido constituído longe do trabalho escravo, usou censos regionais e relatórios dos presidentes das províncias para comprovar sua tese. Por conseguinte, a Profa Sônia Regina Rebel trouxe uma perspectiva histórica sobre o trabalho da mulher no município de Nova Friburgo, pontuando importantes questões de discriminação que as mulheres sofriam sendo consideradas minoria, principalmente com relação ao cargo de professoras, onde eram vistas como mães, cujo principal objetivo era transmitir os valores morais e formar bons cidadãos. Para finalizar essa discussão sobre o trabalho, o Sr. Rodrigo Marreto trouxe algumas considerações com relação à luta das classes sociais, abordando alguns assuntos relativos ao favorecimento das classes dominantes, sobre os donos do capital que possuem os meios de produção e exploram a força de trabalho da classe operária, criticando de forma direta o sistema capitalista predatório.

ahdn

Figura 5: Participantes da terceira mesa de debates: Prof Rodrigo Martins Marreto, Profa  Sônia Regina Rebel e Prof Rodrigo Marreto.

Para concluir o evento, houve o pré-lançamento do livro “Teia Serrana II”, onde os autores Maurício Raposo, Rodrigo Marreto e Maria Ana Quaglino, trouxeram algumas considerações sobre o livro, que trás como tema a história de Nova Friburgo.

30572203_866267490220040_6761523549023764480_n

Figura 6: Autores do livro “Teia Serra II” Maurício Raposo, Rodrigo Marreto e Maria Ana Quaglino e mediador do debate Orlando Amendôla.

2° dia do evento “Para além dos 200 anos”

Publicado em 16/04/2018 por polofriburgo

Para iniciar o último dia de palestras em comemoração aos 200 anos da cidade de Nova Friburgo, ocorreu a primeira mesa redonda cujo tema foi “CEDERJ: história em Nova Friburgo”. Os participantes dessa discussão foram a Profa. Fátima Kzam, o Prof. Manoel Espedito Silva e os ex-alunos do Polo, Perla Alves e Gerbson Brandão.

30728515_870248093155313_4380305680536436736_n

Figura 1: Primeira mesa redonda: “CEDERJ: história em Nova Friburgo”. Com os participantes: Profa. Fátima Kzam, o Prof. Manoel Espedito Silva, os ex-alunos do Polo, Perla Alves e Gerbson Brandão e a mediadora do debate Rosali Zavoli 

A convidada Fátima Kzam, que já participou da Direção do CEDERJ, trouxe alguns relatos sobre a história do Polo, que começou,em 2003, no Campus da UERJ(Universidade do Estado do Rio de Janeiro), em Nova Friburgo, o IPRJ, com o curso de Pedagogia para as séries iniciais. Em 2006 institucionalizou-se o curso de Licenciatura em Biologia e, em 2008, a Licenciatura em Pedagogia. Todos os cursos eram diplomados pela UERJ. Com as chuvas que ocorreram em 2007, o espaço físico do IPRJ foi afetado e, com isso, o CEDERJ passou a funcionar no C.E. Jamil EL Jaick por um semestre. Já as chuvas de 2011 impossibilitaram a volta para o Campus do IPRJ, que foi totalmente desalojado. Depois desse evento catastrófico, as atividades do CEDERJ passaram a ser desenvolvidas em duas escolas públicas: o C.E Dr. João Bazet e E.M Dante Magliano. Só no ano seguinte o CEDERJ se estabeleceu no CIEP Licínio Teixeira, em Olaria, e, com o decorrer dos anos, houve a inserção de outros cursos, como: Licenciatura em Geografia – UERJ, Licenciatura em Letras– UFF (Universidade Federal Fluminense), Licenciatura em Química – UENF(Universidade Estadual do Norte Fluminense) e o curso de Tecnólogo em Segurança Pública – UFF.

O Prof Manoel Espedito explicitou alguns pontos sobre o PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência). Esse programa, através da CAPES, oferece bolsas aos alunos dos cursos de licenciatura que se dedicam aos estágios nas escolas públicas. Desta forma, o PIBID promovia a interação entre os estudantes universitários e a educação básica. A proposta do projeto, em Nova Friburgo, era interdisciplinar, com objetivo de integrar as atividades dos cursos de licenciatura em Ciências Biológicas, Pedagogia e Geografia. Atualmente o PIBID sofreu uma reestruturação pelo MEC.

Os ex-alunos Perla Alves e Gerbson Brandão contaram sobre a história de cada um no CEDERJ e o êxito profissional que obtiveram. O discurso do Gerbson foi inspirador e motivador, pois relatou as dificuldades com a cegueira, e a superação para o alcance dos seus objetivos.

Após o intervalo, ocorreu a segunda mesa de debates cujo tema foi referente às pedagogias diferenciadas que estão inseridas no ensino Público em Nova Friburgo.

A Profa Jaqueline de Moraes Thurler Dália trouxe informações sobre a pedagogia da alternância, na qual ela trabalhou durante oito anos no CEFFA CEA Rei Alberto I (Ibelga). Essa metodologia foi proposta nas áreas rurais, para que os alunos pudessem mesclar períodos de ficar na escola e outros em casa ajudando os pais com as tarefas. Essa divisão de quanto tempo o aluno vai ficar longe de casa ou da escola vai depender da realidade local. No Ibelga, por exemplo, esse intervalo é de uma semana, e os alunos não ficam internos na escola. Esses têm as disciplinas regulares do currículo do Ensino Fundamental e do Médio, além de outras voltadas à agropecuária. Quando retornam para casa, devem desenvolver projetos e aplicar as técnicas que aprenderam em hortas, pomares e criações. Essa sistematização funciona com diversas ferramentas diferenciadas para que o processo ensino-aprendizagem tenha êxito.

A Profa Talita Melone explicitou sobre a pedagogia Waldorf que funciona de uma maneira totalmente diferenciada, longe de todo o padrão estabelecido para as escolas de ensino tradicional. Essa metodologia procura integrar de maneira holística o desenvolvimento físico, espiritual, intelectual e artístico dos alunos. O objetivo é formar indivíduos livres, sociáveis, transmitir valores que estão se perdendo. O foco é a educação humana. Portanto, os alunos não são divididos por turmas, todos estudam e aprendem juntos, transmitindo conhecimento. Os professores são vistos como mediadores e não como os únicos detentores do saber.

A Profa Sandra Graça falou sobre a Escola da Educação e dos Valores Humanos. Essa pedagogia consiste em edificar o caráter do aluno através de reflexões, estudos, exercícios e da prática dos valores humanos, desde sua primeira infância, continuando a trabalhá-los até a sua vida profissional, e assim formas indivíduos equilibrados, competentes e harmoniosos. Os valores humanos são trabalhados de forma interativa, por meio de gincanas, histórias e poemas. O objetivo é que os alunos aprendam a trabalhar em equipe.

30706961_870249439821845_3851208289975009280_n

Figura 2: Segunda mesa de debates “Pedagogias diferenciadas que estão inseridas no ensino Público em Nova Friburgo”. Com os participantes: Profa Jaqueline de Moraes Thurler Dália, A Profa Talita Melone, A Profa Sandra Graça  e a mediadora do debate Ana Paula Louback.

Dando continuidade às atividades, houve a terceira mesa redonda que discutiu as contribuições da literatura para a construção de novas narrativas friburguenses. O Prof. George dos Santos Pacheco, representante da Academia Friburguense de Letras, trouxe o significado da palavra literatura, e relatou, resumidamente,a história da Literatura no município de Nova Friburgo. A convidada Maria Fernanda Macedo falou um pouco sobre a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty). E, para concluir o debate, a Convidada Anabelle L. Considera trouxe relatos sobre o desenvolvimento da literatura em Nova Friburgo, trazendo algumas obras de escritores friburguenses e contanto as experiências de Machado de Assis, Euclides da Cunha, Carlos Drummound de Andrade, José Guilherme de Araujo Jorge e muitos outros autores que moraram durante um tempo no município de Nova Friburgo, e que depois escreveram poemas e crônicas sobre a região.

30705501_870251659821623_483161542804635648_n

Figura 3: Terceira mesa redonda referente ao tema “Contribuições da literatura para a construção de novas narrativas friburguenses”, com os convidados: Profa Anabelle L, Maria Fernanda Macedo, George dos Santos Pacheco e a mediadora do debate Jaqueline Dália.

Para encerrar o evento, houve a última mesa de discussão, que trouxe abordagens sobre a perspectiva da gestão de resíduos nos próximos 200 anos, na cidade de Nova Friburgo. O Prof.Maycon Saviole relatou sobre o aterro sanitário presente na cidade de Nova Friburgo, que a empresa responsável, EBMA, diz ter, mas não disponibiliza para a população nenhuma informação sobre o seu funcionamento. A Profa Ana Cristina Fontes Moreira trouxe relatos sobre os impactos que o descarte incorreto do lixo pode causar ao meio ambiente, explicitando de forma mais descritiva sobre o lixo gerado pelas indústrias têxteis que estão mais concentradas na cidade de Nova Friburgo. E, para concluir o debate, o convidado Rodrigo de Oliveira Macedo, pesquisador e designer em sustentabilidade, falou sobre a responsabilidade de cada um em preservar o meio ambiente, gerando menos lixo.

30742255_870255499821239_7761994046997790720_n

Figura 4: Última mesa de discussão “Perspectiva da gestão de resíduos nos próximos 200 anos”, com os convidados: Rodrigo de Oliveira Macedo, Profa Ana Cristina Fontes Moreira, por mediação de Maycon Saviole.